Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Política

Frente Parlamentar Evangélica sai em defesa do pastor José Wellington

Segundo nota de repúdio, a “eleição de Lula coloca em risco a própria existência da Igreja Evangélica no Brasil”

Publicado

em

A Frente Parlamentar Evangélica (FPE) emitiu uma nota de repúdio contra a ação do Partido dos Trabalhadores contra o pastor José Wellington, presidente Jair Bolsonaro e o deputado federal Sóstenes Cavalcante que foram representados no Tribunal Superior Eleitoral por “propaganda eleitoral antecipada”.

No documento, a FPE considera injusta a representação. “De fato, quando o PT requer injustamente a condenação de um homem de Deus, diante de uma das mais altas cortes do país, por um ilícito que notoriamente não foi por ele cometido”, diz trecho da nota de repúdio.

“Esse Partido mente, como de costume, e também comete litigância de má-fé, instrumentalizando o Poder Judiciário com fins espúrios”, completa.

A FPE também cita o artigo 36 da Lei das Eleições que diz: “Não configuram propaganda eleitoral antecipada, desde que não envolvam pedido explícito de voto, a menção à pretensa candidatura, a exaltação das qualidades pessoais dos pré-candidatos e os seguintes atos, que poderão ter cobertura dos meios de comunicação social, inclusive via internet.”

O texto ainda diz que o PT deve ser condenado por má-fé. “O PT não apenas perpetua sua nefasta tradição de mentiras ao Povo e de pérfida perseguição aos evangélicos, como igualmente comete ilícito de litigância de má-fé”.

No final, a FPE diz que a eleição de Lula “coloca em risco a própria existência da Igreja Evangélica no Brasil”.

PUBLICIDADE