Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Mundo Cristão

“Declaro que não sou adepto de posições ideológicas marxistas”, diz Claiton Pommerening, comentarista da CPAD

Em nota pastor se defendeu das críticas que vem sofrendo de outros pastores assembleianos

Publicado

em

A decisão da igreja Assembleia de Deus na cidade de Abreu e Lima (PE) de suspender o uso de revista da Escola Bíblica Dominical, que será lecionada no 3º trimestre de 2021, tem gerado grande polêmica no meio religioso.

Escrito por Claiton Ivan Pommerening, o livro de estudo “O plano de Deus para Israel em meio à infidelidade da nação” versa sobre a visão da igreja para o assunto.

Mas o autor está sendo criticado por outros pastores por suas posições ideológicas e, por isso, ele precisou se manifestar.

Pelas redes sociais, Pommerening disse que seu livro de estudos tem “embasamento bíblico teológico e seu conteúdo não fere a doutrina das Assembleias de Deus no Brasil”, o mesmo que a CPAD e a própria CGADB anunciaram em suas notas.

O autor também disse que reconhece seu lugar como discípulo e que tem buscado se aperfeiçoar em suas falhas. Sobre sua visão política, ele declara que não é marxista.

“Declaro que não sou adepto de posições ideológicas marxistas, não faço apologia à Teologia da Libertação e nem atuo na promoção do ecumenismo  confessional doutrinário”, diz.

Leia na íntegra:

POSICIONAMENTO DO PR. CLAITON POMMERENING EM RELAÇÃO AOS EPISÓDIOS VEICULADAS EM REDES SOCIAIS

Nos últimos tempos tenho sido alvo de acusações quanto à minha compreensão do Evangelho de Cristo, em relação à maneira como me relaciono com a Declaração de Fé das Assembleias de Deus e com a academia teológica. Diante destes fatos e percebendo a necessidade de um esclarecimento público, pontuo minhas considerações a respeito.
1. O tema tratado na revista de Escola Dominical do 3º trimestre de 2021, foi escrito de forma didática, com embasamento bíblico teológico e seu conteúdo não fere a doutrina das Assembleias de Deus no Brasil, conforme documentos emitidos e disponibilizados ao público pela presidência, órgãos colegiados e consultivos da CGADB – Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil e da CPAD – Casa Publicadora das Assembleias de Deus.
2. Pastoreei igrejas entre as décadas de 1990/2000, sou professor de Teologia e diretor da Faculdade Refidim (desde 12/05/2005), ligada à CIADESCP – Convenção das Igrejas Assembleias de Deus de SC SO PR, tendo a instituição que dirijo formado milhares de obreiros e líderes para as Assembleias de Deus nos seus 46 anos de existência. Portanto, o meu trabalho na área do ensino teológico, bem como no pastoreio de igrejas, testemunha sobre o meu compromisso com as Assembleias de Deus e com sua Declaração de Fé.
3. Reconheço meu lugar como discípulo de Cristo em aperfeiçoamento, tenho muitas falhas, mas amo primeiramente a Cristo, depois minha família e também minha denominação Assembleia de Deus, e meu propósito é servir à Cristo e seu Evangelho com minha vida.
4. Eu sempre serei um ardoroso defensor do amor, da justiça e da verdade do Evangelho, embora reconheça minha dificuldade de viver no meu dia-a-dia a realidade deste Evangelho em plenitude. Por isso, escrevo meus textos de acordo com o que o meu amado Cristo ensinou quanto ao compromisso com a verdade e o cuidado para com meu próximo.
5. As acusações são infundadas e algumas delas se confundem com preceitos muito caros ao Evangelho de Cristo, pois são indevidamente embaladas em supostas inclinações ideológicas, essas posteriores ao Evangelho. O Evangelho jamais poderá ser confundido com espectros políticos e ideológicos, pois o Evangelho é superior, anterior e eterno em relação a elas. As pautas políticas passarão, mas as Palavras de Cristo não passarão (Mt 24.35). Não se deve rebaixar o Evangelho a rótulos, é um acinte àquele que é a essência do próprio Evangelho. Para entender melhor o que penso a respeito de ideologias assista ao vídeo no meu canal do YouTube denominado: Evangelho, ideologias e pósverdade.
6. Com as alegações publicadas nas redes sociais contra mim e tantos outros irmãos, estamos assistindo um moderno tipo de ataque às pessoas, denominada cultura do cancelamento, em que se combatem iniciativas com
respeitabilidade nacional e com muitos anos de existência, colocando em xeque muitos investimentos em recursos humanos e financeiros, publicações essas baseadas no fenômeno da pós-verdade, que inclui as chamadas fake
news: notícias montadas a partir de narrativas falsas, mas que narradas de forma apocalíptica e apoteótica convencem muita gente, destruindo reputações e manipulando pessoas que desconhecem a realidade dos fatos.
7. A pós-verdade demonstra a credibilidade e a força que as teorias da conspiração assumiram nos últimos tempos, em que as verdades são misturadas com meias verdades, mentiras, ilações, calúnias e difamações, com
claro objetivo de perseguição e tentativa de se autopromover, fazendo coro a um pensamento polarizado atualmente em vigor no Brasil, em tribunais inquisitórios virtuais, que discriminam o pensamento alheio sem sequer refletir sobre ele, cerceando a liberdade de expressão e de pensamento.
8. Quaisquer acusações trazidas a público para macular a imagem de pessoas, desrespeita a nobreza desejada por Jesus aos seus seguidores e são formas levianas de rotulagem e difamação.
9. Quero renegar todos os adjetivos que me são designados nas acusações, e destaco que para ser cristão nunca foi pré-requisito defender determinada linha ideológica política ou partidária. Contudo, para dirimir dúvidas de minha conduta aos meus irmãos das Assembleias de Deus, declaro que não sou adepto de posições ideológicas marxistas, não faço apologia à Teologia da Libertação e nem atuo na promoção do ecumenismo  confessional doutrinário. Entretanto, nas questões do Evangelho eu sigo Lc 4.18-19, pois estão acima de questões ideológicas.
10. Recortes indevidos de pequenos textos retirados do contexto de minha tese de doutorado, intitulada Fábrica de pastores: interfaces e divergências entre educação teológica e fé cristã comunitária na teologia pentecostal e artigos publicados em revistas acadêmicas não significa que eu seja adepto das teologias ali expostas. Ratifico meu comprometimento à Palavra de Deus e ao seguimento primário dos ensinamentos de Cristo, aos estudos e a vivência na Teologia Pentecostal, como bem atestam meus artigos, livros, vídeos, aulas, palestras e pregações.
11. Numa leitura sem preconceitos, o grande fio condutor de minha tese é o Pentecostalismo Clássico. Como não a escrevi para ser lida pela igreja, mas pela academia, fiz uso da tradicional liberdade acadêmica para tal. Porém, uma coisa é citar teologias alheias à fé Pentecostal e outra é usa-las como referencial teórico e embasamento, no caso de minha tese, citei teologias alheias. Essa conduta também é adotada por vários escritores pentecostais
que fazem uso de citações de autores católicos e reformados, sem, contudo, serem acusados de professar a fé católica ou reformada. Declaro que minha tese não foi publicada em livro, mas pretendo fazê-lo em breve em linguagem que seja menos acadêmica.
12. Embora o pentecostalismo tenha ajudado milhões em sua busca por salvação e saúde espiritual, é evidente que alguns segmentos desenvolveram, ao longo de sua história, uma inclinação para o anti-intelectualismo. Assim, não é admirável que ainda hoje, haja pessoas, mesmo no ministério cristão, que nutram profundas desconfianças em relação à academia teológica, de modo a demonizar àqueles que estão ligados a ela. Logo, percebo os ataques à minha pessoa, à instituição que dirijo e aos seus professores, como tentativa de macular não apenas a minha vida e ministério, como também atrapalhar os esforços pentecostais em direção à formação acadêmica.
Lamento profundamente toda a desinformação e desorientação que este tipo de desconfiança traz aos nossos amados irmãos, coordenadores, professores e alunos das nossas milhares de Escolas Bíblicas Dominicais, e desejo que, todos juntos,  caminhemos para o alvo que é Cristo e que sejam abençoados com a lição do 3º trimestre/2021, como são em todas as demais.

Agradeço à CGADB e à CPAD, bem como aos seus órgãos consultivos e colegiados, às convenções estaduais, à CIADESCP – Convenção das Igrejas Assembleias de Deus de SC SO PR, e à minha querida igreja em Joinville, por terem, neste episódio, tomado decisões coerentes com a ética do Evangelho de Cristo.
Agradeço de coração aos milhares de amados irmãos de todo o Brasil, que nos últimos dias, enviaram mensagens de apoio, carinho, oração e lágrimas, talvez não consiga responder a todas, e peço desculpas se não o fizer.
Eu, minha família, equipe de trabalho da Refidim/CEEDUC e igreja em Joinville estamos orando para que Deus cure nossa nação do império do ódio, do medo e da divisão. Junte-se a nós em oração!
Tenho desde tempos tentado compreender e viver este texto de Jesus, que bem se aplica ao momento: “Bem-aventurados são vocês quando, por minha causa, os  insultarem e os perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vocês. Alegremse e exultem, porque é grande a sua recompensa nos céus; pois assim perseguiram
os profetas que viveram antes de vocês.” (Mt 5.11-12)
Fui consolado num destes dias de muita aflição por um querido amigo, que me enviou uma frase dita por Martinho Lutero e que se aplica ao momento, guardadas as devidas proporções: “Quanto a eles, meus opositores, deixo-os com os seus uivos, enquanto isso vou ao jardim plantar rosas para embelezar o mundo.”
Esses esclarecimentos tem por objetivo prestar contas aos irmãos da nossa amada Assembleia de Deus no Brasil. Lembrando que as redes sociais não são o fórum adequado para debates de questões que estão sendo tratadas intramuros pelos órgãos competentes de nossa igreja.

Joinville (SC), 29 de maio de 2021
Pr. Claiton Ivan Pommerening – seu conservo

PUBLICIDADE