Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Brasil/Mundo

Cristãos são queimados vivos em ataques jihadistas a aldeias no Mali

Publicado

em

Músicos e cantores em uma comunidade Dogon no Mali | Wikimedia Commons / BluesyPete

Radicais islâmicos mataram pelo menos 27 pessoas, algumas das quais foram queimadas vivas, em uma série de ataques que duraram de terça a quarta-feira à noite em três aldeias que, segundo informações, são predominantemente habitadas por cristãos no Mali Central, disseram autoridades

Como a escalada da violência comunitária assolou o país da África Ocidental nos últimos anos, as autoridades locais disseram à Reuters que os ataques nas aldeias de Bankass, Koro e Tillé foram realizados por homens armados em motocicletas que eles acreditam serem jihadistas que alegam proteger os pastores Fulani dos agricultores Dogon.

“Ficamos surpresos com o ataque à aldeia de Tillé”, disse à agência de notícias o vice-prefeito da Doucombo, Yacouba Kassogué. “Sete foram mortos, todos os Dogons, alguns deles queimados vivos”.

+ Radicais islâmicos incendiaram três igrejas no Sudão pela segunda em menos de 30 dias

Relatou-se que pelo menos 20 pessoas adicionais foram mortas nas aldeias vizinhas de Bankass e Koro. 

Segundo as autoridades locais, a maioria das vítimas nessas duas aldeias foi baleada ou queimada até a morte. 

De acordo com a agência interdenominacional de ajuda cristã Barnabus Aid, os ataques realizados na semana passada no Mali Central vitimaram “aldeias Dogon principalmente cristãs”.

“Desde 2016, os jihadistas estão travando uma guerra para ocupar o norte e o centro do Mali com o objetivo declarado de estabelecer a Sharia (lei islâmica) em todo o país”, diz um comunicado da agência de ajuda. 

“O Mali sofreu o pior ano de violência extremista em sete anos em 2019. Militantes jihadistas realizaram ataques assassinos nas áreas norte e central, destruindo vilas cristãs e fazendo com que centenas fugissem apenas com as roupas nas costas”.

Segundo informações, dezenas de pessoas foram mortas durante um suposto ataque Fulani na vila principalmente cristã de Sobame Da, uma vila na região de Mopti, no centro do Mali, em junho de 2019. 

Segundo um dossiê Portas Abertas para o Mali, militantes islâmicos no país “estão ocupados atacando as forças de segurança e os cristãos do país”. O documento relata que “as aldeias cristãs foram alvejadas e destruídas, com os ataques às vezes tendo elementos étnicos e religiosos”. 

“Com os crescentes ataques na região de Mopti e em outras áreas, escolas e igrejas foram incendiadas, centenas de escolas (incluindo escolas cristãs) foram fechadas em 2019”, disse um pesquisador de campo do Portas Abertas. 

Nos últimos anos, o Mali sofreu uma escalada de ataques violentos entre os agricultores Dogon e os pastores Fulani. 

PUBLICIDADE