Conecte-se conosco
[the_ad id="107359"]

Tocantins

Prefeitura de Araguaína presta assistência técnica para pequenos produtores rurais

Publicado

em

Da Redação JM Notícia 

Prefeitura de Araguaína presta assistência técnica para pequenos produtores rurais

Os pequenos agropecuaristas de Araguaína e região são grandes produtores de alimentos. Só pelo Programa Compra Direta, em 2017 foram mais de 234 mil quilos de alimentos adquiridos, injetando mais de R$ 734 mil na economia local. Para fomentar essa importante parcela da atividade rural e visando também a preservação do meio ambiente, a Prefeitura criou o Programa de Sustentabilidade e Agronegócio de Araguaína e Região (Proagrara).

Desenvolvido por meio da diretoria de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento e Meio Ambiente, o Proagrara tem o objetivo de levar assistência técnica às comunidades locais, para aperfeiçoar e fomentar produções de curto, médio e longo prazo, tanto na agriculta quanto na pecuária. O programa já foi iniciado em algumas comunidades e será apresentado para mais produtores durante a 50ª Exposição Agropecuária de Araguaína (Expoara), de 7 a 17 junho.

“Temos o Microempreendedor Individual (MEI), Compra Direta, um novo laticínio, profissionais adequados e outras ferramentas que serão anunciadas em breve. Essa é a nossa marca, Araguaína é a capital econômica do Estado”, diz o secretário Ângelo Crema Marzola Júnior.

O programa tem parceria com Instituto de Desenvolvimento Rural Estado do Tocantins (Ruraltins), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI).

O programa
De acordo com o diretor municipal de Agricultura, Mário Vitória, logo na fase inicial, o projeto atenderá a 15 comunidades de Araguaína, fomentando polos. “Estamos identificando os agricultores que realmente interessados em produzir. Há comunidades que têm até 90 famílias e escolheremos duas ou três de cada comunidade para servir de exemplo. O projeto crescerá naturalmente, conforme os resultados”.

O intuito é potencializar alguns tipos produção vegetal e animal em uma região, para que a comunidade tenha poder de comercialização. “Não adianta colher 10 sacos da melhor produção, independente da cultura. Tem que colher de 100 para mais, fica mais fácil a comunidade negociar com o comprador e até mesmo escoar a produção”, explica o diretor.

Orientações
O programa orientará os produtores quanto aos produtos mais rentáveis, levando em consideração a qualidade da terra, consumo de água, clima e outras variáveis. Planejando culturas de curto prazo para rentabilidade mensal, médio prazo para ganhos maiores no período de cinco meses a 1 ano, e longo prazo já pensando na poupança, com período de até 8 anos para retorno do investimento.

“Vamos dar as opções e são os agricultores que vão escolher o que produzir. Hoje, por exemplo, há muita produção de leite na região, mas quase nenhum produtor tem o Selo de Inspeção Municipal (SIM) para produzir e vender o queijo. Isso agrega valor ao produto. É aí que vamos assessorar. Também orientar para culturas de médio prazo, como abacaxi, mandioca, produtos da nossa terra. E outros, a longo prazo, como café, cacau, seringueira, pimenta do reino e até laranja”.

Outra opção apresentada, que já teve seu início na comunidade rural Projeto Alegre, é construção de tanques para cultura de peixes. A intenção é uma parceria com os agropecuaristas, na qual o município entra com o maquinário e mão de obra, e o produtor com o combustível e alimentação dos operadores das máquinas.

“Dois produtores já receberam tanques no Projeto Alegre, um de 12×30 metros e outro de 12×15 metros. Com a demanda, o próprio produtor vai investir para criar um tanque maior. Mas para o começo é o ideal, o menor para alevinos e, quando chegar aos quatro meses, passa os peixes para o tanque maior”.

PUBLICIDADE